Está pensando em mudar de casa? Topa uma sugestão?

quarta-feira, 26 de maio de 2010

amityville_horror_house

Uma pacata família, composta por um casal e seus três filhos pequenos, resolve fixar residência em uma bela mansão localizada nos arredores de Amityville, Nova Iorque, EUA. Após vinte e oito dias de permanência no local, os habitantes decidem abandonar a casa motivados por forças sobrenaturais que  não estariam muito contentes com a presença deles no ambiente.

No mesmo lugar, há tempos atrás, a polícia local encontraria uma cena bizarra. Espalhados pelos dormitórios jaziam os corpos de uma outra família abatida a tiros de espingarda desferidos pelo primogênito Ronald DeFeo. O motivo para a chacina, conforme declaração do rapaz à justiça, seriam as misteriosas vozes ouvidas por ele incentivando-o a cometer os assassinatos.

Toda essa história foi contada pelo escritor Jay Anson no livro The Amityville Horror - A True Story, que se tornaria um best seller nos anos setenta, inclusive gerando uma série de filmes e até um recente remake do original produzido pela Platinum Dunes. O grande chamariz das incursões cinematográficas foi baseado na suposta intervenção de um padre convocado para benzer a casa que teria sido violentamente expulso por uma voz gutural.

Pois bem caros amigos, conforme nota do Bloody Disgusting, a famosa casa localizada na Avenida Ocean, 112, está desocupada e à venda por um milhão e cento e cinquenta mil dólares. Não necessariamente incluindo visões de paredes escorrendo lodo, nem de mobília movendo-se por conta própria, ou mesmo a visita de um porco demoníaco chamado Jodie. E então, se habilita a morar no local? O Ronnie DeFeo ainda está preso, aproveite.

Para um você que quer adquirir maior conhecimento sobre o assassino, eu recomendo essa boa indicação na Wikipédia. Quanto a mais informações acerca da história da casa, também tem um post bem bacana do blog Eu Já Vi Fantasmas. Olha, eu moraria de boa naquela casa viu. Bem melhor do que o meu humilde barraco, com certeza.

Amityville

10 comentários :

Edu Aurrai disse...

E agora o leso que pesquisa as coisas depois de escrever tem mais um artigo bacana a respeito para compartilhar. É do How Stuff Works, e o endereço é esse aqui:

http://lazer.hsw.uol.com.br/amityville.htm

Luciano disse...

E aí cara! Tudo tranqüilo? Sou dono de fazer isso. Escrevo, publico e depois saio a achar mais coisa..kkkkk Me diz uma coisa, eu sou lesado tb ou não tens banner por aí? Queria colocar um lá na Trincheira. Link fica sem graça. Faz um aí. E eu lembro do Jodie. Porco demoníaco é bizarro! Abs.

Ana Cavalcantti disse...

Oiiii !!!
Tudo bem ?
Obrigada pela visita !
E em resposta a sua pergunta do post :
NEM A PAU JUVENAL rs
Prefiro minha casinha mesmo, sem riscos aff !!Beijo

Dleite disse...

Eu ficaria nesta casa, sim. Na casa onde moro, sozinho, morreram três pessoas, já. Inclusive o velório de minha avó foi feito nela...
Eu só não tenho medo pq, ao invés de pensar em Amityville toda noite, eu prefiro lembrar daquela clássico episódio do Chapolin:
- Onde eu vou passar a noite?
- Na cama onde morreu o seu avô
- *engole* - Não teria um lugar melhor? Como, na tumba onde o enterraram?

Edu Aurrai disse...

Cara, eu lembro do segunda versão desse episódio do Chapolim, que ele fala:

- Alguma pessoa precisar sair imediatamente desta casa.
- Quem? - Perguntam.

E ele:

- Eu!

Ai ele sai correndo, abre a porta e dá de cara com o Professor Girafales vestido de druida medieval. E desmaia.

Ai ele acorda falando:

- Juro que era o fantasma do Longe Moco! Digo, do Monge Loco.

Ai perguntam:

- Mas Chapolin, não teria sido a sua imaginação?

E ele responde:

- Minha imaginação não é tão religiosa!

Hilário.

Anônimo disse...

Eu heim...rs
Beijo da Penny Lane

Anônimo disse...

Oi Du, sou eu de novo...
Dá uma olhadinha nisso que eu achei Suicídio bem divertido!

Foi encontrado no bolso de um cadáver, quando se preparava para a autópsia, a seguinte carta:


Ex.mo Senhor Delegado do Ministério Público,


Suicidei-me!...Não culpe ninguém pela minha sorte. Deixei esta vida porque um dia a mais que vivesse acabaria por morrer louco.


Eu explico-lhe Senhor Doutor: Tive a desdita de me casar com uma viúva, a qual tinha uma filha; se soubesse isto jamais teria casado. Meu pai, para maior desgraça era viúvo e quis a fatalidade que ele se enamorasse e casasse com a filha da minha mulher.


Resultou daí que a minha mulher se tornou sogra do meu pai. A minha enteada ficou a ser minha mãe e o meu pai ao mesmo tempo meu genro.


Após algum tempo, a minha filha pôs no mundo uma criança que veio a ser meu irmão, porém neto da minha mulher que fiquei a ser avô do meu irmão. Com o decorrer do tempo, a minha mulher pôs também no mundo um menino que como irmão da minha mãe, era cunhado de meu pai e tio do meu filho, passando a minha mulher a ser nora da própria filha.


Eu, Senhor Delegado, fiquei a ser pai da minha mãe, tornando-me irmão dos meus filhos. A minha mulher ficou a ser minha avó já que é mãe da minha mãe, assim acabei sendo avô de mim mesmo.


Portanto, antes que a coisa se complicasse mais resolvi acabar com tudo de uma vez.


Beijo Penny L.

Carlos Ismael Correa de Toledo Junior disse...

Eu tenho o livro "horror eh Amityville", eh um dos mais interessantes livros que ja li, fala muitas coisa que, entes de ter lido o livro, ja havia pesquisado e ouvido falar de fatos sobrenaturais semelhantes e que tinhas fatos semelhantes envolvidos, e principalmente os fatos sobre possiveis sinais demoniacos e tal, sempre gostei do assunto e pesquiso muito. Tem um documentario bem interessante no youtube, mas em ingles sobre o insolito fato de NY.

Carlos Ismael Correa de Toledo Junior disse...

O mesmo autor do livro tbm tem outro titulo, muito bom tbm, mas nada comparado ao caso de Amityville, no entanto eh ficção, chamado "O limiar para o inferno".

Carlos Ismael Correa de Toledo Junior disse...

o fato é tão curioso que se vc procurar o endereço da casa no google earth, vela ela por cima alem de fotos atuais da mansão

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Copyright © 2016. Ninho da Mente