Super Mario Bros. Crossover

terça-feira, 4 de maio de 2010

mario

Primeiramente eu quero agradecer ao grande mestre André Breder e ao blog Gagá Games pela dica e pelas imagens.

Você alguma vez já imaginou como seria jogar um game famoso usando algum outro personagem de um outro jogo igualmente conhecido? Alguma vez passou pela sua cabecinha, ao se encontrar em meio a um enxame de malditos Lakitus e Spinies, como seria útil ter em mãos as armas da Samus Aran? Não? Pois um criativo rapaz chamado Jay Pavlina já.

O sujeito tem vinte e cinco anos de idade e levou cerca de quinze meses para programar uma versão em Flash e ActionScript 3.0 de um dos jogos mais famosos da história, o icônico Super Mario Bros. Mas com um pequeno detalhe. Na versão do cara é possível não só jogar como o encanador bigodudo, mas também como outras eternas figuras da era do Nintendo 8 bits.

As opções variam entre o caçador de vampiros Simon Belmont, de Castlevania, o robozinho azul Megaman, a já citada heroína Samus Aran, de Metroid, Link, de The Legend of Zelda, o guerrilheiro Bill R., de Contra, além do próprio Mario. E o mais legal de tudo é que eles não são apenas uma transição besta de um jogo para outro. É tudo perfeito. Vários dos movimentos característicos e respectivas habilidades de cada um estão presentes.

Isso significa que se você não estiver muito a fim de sair pulando na cabeça de Goombas indefesos, pode simplesmente meter rajadas de prótons neles. E tudo isso fluindo bem, com menus explicativos sobre como controlar os personagens, além da possibilidade de trocar de herói em cada fase ultrapassada. Seria simplesmente a realização dos sonhos de qualquer pessoa que fosse um feliz pirralho na época, se tivesse sido lançada em tal.  

simon_b

E aí? Ficou a fim de tentar? Então clique aqui e mande bala. Os botões são configuráveis, afinal é impraticável jogar com a mão direita nas setinhas do teclado e a esquerda nos botões. Mas se quiser atingir um alto grau de diversão, recomendo o uso de um joystick juntamente com o software Joy2Key, que serve para configurar as teclas em um gamepad. Além de toda a comodidade, ainda é possível salvar a partida e recomeçar quando quiser.

Ah, mais uma coisinha, o cara não se preocupou apenas em portar perfeitamente os trejeitos dos ícones, mas também retirou muitas coisas que sempre foram consideradas defeitos nas franquias originais. Lembra quando o Simon Belmont era atingido por um inimigo e voava para trás, normalmente em direção a um abismo sem fundo? Pois então, essa foi uma das características ridículas que foram deixadas de lado.

O garoto prodígio Jay Pavlina pensou em tudo. Tanto que até as músicas mudam para os temas clássicos dos personagens quando você os seleciona. Demais! Aproveite e dê uma passada no site da recém fundada empresa do maluco, a Exploding Rabbit, já que do jeito que as coisas andam, nós podemos esperar muitos flash games de primeira surgindo por lá no futuro. Sem dúvida um grande talento.

5 comentários :

Marcel disse...

Eu tinha visto isso semana passada o/
Tinha até recomendado para a Ana colocar ^^

Alias, o pior personagem infelizmente é o Link =/

Lady disse...

clássicos
adorei!!!sinto falta dos jogos do atari, me orgulho de dizer que meu primeiro game foi um atari, bem a fotinhu da carta nem ficou tão legal, sai com cara de bob esponja
bjsss e apareça sempre

Marcel disse...

Ah sim, o melhor personagem é o protagonista do Contra. =D

Gebara disse...

Cara, cê sabe qual programa ele usou pra criar esse game?

Edu Aurrai disse...

Então, eu sei que é Action Script 3.0. No Adobe Flash dá pra editar esses scripts.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Copyright © 2016. Ninho da Mente